quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Vampiro

Bate as asas bem pontudas.
Bem vermelhos, os olhos grandes
saem buscando sangue.

É um bicho, por enquanto,
mas a noite vem chegando
e ele vai ficando
enorme e quase humano.

Será aquele ser
branco, alvo e delgado,
com uma capa avermelhada
e os dentes salientes
com as pontas avermelhadas?
 
Ele mesmo!
Vive num caixão,
elegante e aprumado.
Dorme o dia todo
e a à noite fica muito esfomeado.

Ao despertar,       
voa rápido em busca de sangue!
E encontra...

No alto de uma casa,
cortinas esvoaçantes
de uma janela aberta.
          
Dorme tão pequenina,
uma beleza de menina,
com cabelos encrespados
e bochechas rosadas.
                                                                          
O vampiro se aproxima
e feliz já se anima
chega perto,
com dentes afiados.

Mas, qual sina!
Sente um cheiro esquisito,
fica tonto e desmaia
no duro assoalho.

A doce menina comeu sopa de alho.

(do livro "Poemas para Assombrar", Larousse)

2 comentários:

  1. Ai, ai, esses "Poemas para Assombrar" são aterrorizantes! Será que os vampiros moderninhos também desmaiariam com um bafo de sopa de alho?
    Beijocas, ragazza!

    ResponderExcluir
  2. Não sei, Amália, precisamos testar...

    ResponderExcluir